Fabio Reis, presidente do Consórcio STHEM Brasil e diretor de Inovação Acadêmica e Redes de Cooperação do Semesp.

Há benefícios em participar de um evento com boa programação e que reúne pessoas de diversas IES de diferentes países. Aponto dois: aprendizado e networking. Durante a 8ª edição do Congresso Internacional de Inovação, realizado na Tec de Monterrey, no México, representei o Semesp e o Consórcio STHEM Brasil e tive a companhia do Arapuan Neto, reitor da Unisuam.

Logo no primeiro dia, ficou claro o eixo principal do congresso: a aprendizagem dos estudantes mediada por tecnologias. Palestras e debates apontaram caminhos e apresentaram situações concretas, tendo a Tec de Monterrey como referência principal. Algo que ouvi: nós precisamos nos transformar em instituições de aprendizagem superior que engajam e instigam diferentes experiências para os estudantes durante seus anos de graduação.

Ouvi de diferentes palestrantes que é preciso incentivar experiências de trabalho coletivo, com resolução de problemas reais, convivência com a diversidade e relação com os empregadores e organizações públicas e privadas. Nos cases apresentados durante o congresso, as IES monitoram o aprendizado, criam algoritmos para compreender o comportamento dos estudantes, utilizam a IA para fortalecer a aprendizagem, enfim, as palavras de ordem são: os estudantes primeiro.

A percepção clara é: você, gestor, quer que sua IES tenha sucesso? Pense sempre nos estudantes. Às vezes, me parece que nos dedicamos muito às estratégias de captação dos estudantes e pouco no que, realmente, fortalece o seu engajamento. O congresso reforçou uma convicção: uma IES sólida desenha bons modelos acadêmicos, prioriza o estudante e investe nos professores. São estes os pilares da IES. Não podemos construir “castelos de cartas”, com muita mídia, marketing digital, badalação com pretensos projetos de inovação e discursos. Esses castelos são frágeis e podem se desmanchar com as tormentas.

Em relação ao networking, o congresso foi incrível e trouxe muitos benefícios para o Semesp e para o Consórcio STHEM. Contei com a colaboração do Arapuan Neto nas diversas agendas que tivemos. Logo na manhã do primeiro dia do congresso, acertamos a ida de três professores da Tec de Monterrey para o Brasil em um evento do STHEM, no mês de agosto de 2022.

Em seguida, conversamos com o reitor da Southern New Hampshire University (SNHU), Paul LeBlanc, que será visitada pela caravana do Semesp, em maio, durante a Missão Técnica Internacional. Desde que assumiu a reitoria da IES, LeBlanc aumentou o número de alunos de 12 mil para 180 mil. Durante a pandemia, a universidade ganhou 40 mil novos estudantes com o perfil de trabalhadores de baixa renda. No segundo semestre de 2022, LeBlanc deverá estar no Brasil para o FNESP e para um workshop com os gestores do Consórcio STHEM Brasil.

Tivemos reunião com George Siemens, um renomado especialista em IA da Univesity of Texas. Conversamos sobre pesquisas e projetos em conjunto na área de IA. O STHEM Brasil tem um grupo de estudo de IA. A reunião com Bruno Zepeda, reitor da TecMilenio, também foi significativa porque tivemos a oportunidade de conhecer o perfil e projetos da IES, cujo foco é dar acesso a estudantes de baixa renda. Espero que a Unisuam e outras IES brasileiras com o perfil semelhante possam fazer bons projetos com eles.

Um dos momentos especiais do congresso foi o contato estabelecido com o Ministério da Educação da Colômbia, por meio da ministra Maria Victoria Angulo e seu assessor Juán Beltrán. Sem dúvida, a Colômbia é referência em modelo de avaliação do ensino superior. O Semesp está elaborando um projeto piloto de autoavaliação e irá estabelecer diálogos com o MEC da Colômbia. Em janeiro e fevereiro de 2022, devemos ter dois eventos em conjunto.

Reforçamos nossos vínculos com a Vice-Reitoria de Graduação e Inovação e de Formação Continuada, com reuniões que devem render bons projetos que poderão ter impacto tanto no Semesp quanto no Consórcio STHEM, em especial. Conhecer pessoalmente os responsáveis pelo desenho do modelo acadêmico TEC 21 foi incrível. Estabelecemos ainda um vínculo novo com o Instituto Futuro do Ensino Superior da Tec de Monterrey. O instituto monitora o que está por vir em nosso setor. O seu diretor, Jose Escamilla de los Santos, fará a palestra de abertura do VIII Fórum do STHEM, em março de 2022.

Sou grato pela oportunidade de participar da 8ª edição do Congresso Internacional de Inovação, com o privilégio de ter tido a companhia do reitor da Unisuan, que é despojado, inovador e inquieto. Grato Semesp e ao Consórcio STHEM Brasil pela oportunidade. Foram três dias intensos. Retorno cansado, mas com muitas ideias e perspectivas de projetos.

 

Publicações relacionadas